Blog

Está criado o Conati

Com sincero orgulho que tenho de participar pessoal e diretamente desta nova  e inédita organização entre entidades de classe da categoria profissional, divulgo aqui a comunicado do reçem-criado Conati, Comitê Nacional de Tradutores e Intérpretes:

Caros colegas,

Sabemos que tradutores e intérpretes são uma enorme maioria de profissionais autônomos (atuando tanto como PJ quanto PF) que precisam consolidar, para atuar no Brasil, pequenas e médias empresas. Mas, com a carga tributária a que tais empresas são submetidas, um contingente volumoso de profissionais acaba optando por trabalhar na informalidade; isso cria uma desigualdade de competição (empresas pagam impostos elevados enquanto profissionais não formalizados podem vender valores líquidos para seus clientes) e fragiliza as iniciativas empresariais.O Simples Nacional trouxe, em sua proposta inicial, a esperança de arranjos tributários menos onerosos, vantajosos para todos (aumento da formalização e desoneração para os donos de PME de tradução). Nesta oportunidade, a Abrates, o Sintra e a Apic se mobilizaram e entregaram um abaixo–assinado, promovido por Reginaldo Francisco, que contou mais de dois mil profissionais esperançosos ao então relator do projeto, o Deputado Federal Claudio Puty, em abril de 2014. Veja aqui.Porém, nos últimos meses de votação da lei, emendas ao projeto enfraqueceram a proposta inicial e sua intenção de inclusão de pequenos empresários. A lei acabou sancionada em agosto de 2014, incluindo tradutores e intérpretes na tabela VI do Simples Nacional, que propõe um imposto ainda mais alto que o que já se pagava no sistema anterior: 16,33% no Lucro Presumido, contra 16,93% no Simples Nacional. Ou seja, a proposta, embora fosse promissora, acabou sancionada sem nenhuma vantagem para a categoria. Além do mais, e para nossa surpresa, outras profissões com perfil semelhante (atividade autônoma intelectual de alto nível de especialização, por exemplo advogados), foram incluídos na tabela IV, onde pagam apenas 4,5% de impostos.Em setembro, durante o Congresso da Abrates, foi realizada uma sessão de grande sucesso entre as diversas entidades de classe para promover e incentivar a colaboração naquilo que passou a ser chamado de “agendas comuns” entre as entidades. No almoço que se seguiu a esta sessão, um grupo formado pelos representantes das diversas entidades de classe e por pessoas ativas ligadas às mesmas decidiu criar um coletivo extremamente ativo de colaboração entre entidades de classe para temas julgados de importância, tais como a questão do Simples Nacional, que afeta a todos.Para poder atuar de maneira oficial, este grupo fundou o Conati, Comitê Nacional de Associações de Tradutores e Intérpretes, autor do presente comunicado. O Conati não representa o interesse ou a liderança de nenhuma das entidades que o integram e sim os interesses comuns a todas elas, em pé de igualdade, no melhor espírito de colaboração. Ao somar os membros de suas diversas entidades de classe, o Conati atualmente conta com quase 1500 membros representados.O Conati tomou conhecimento de que seria possível reverter nossa inclusão na desfavorável Tabela VI e sermos incluídos nas tabelas III ou IV, onde os impostos são muito menores. O Ministro Guilherme Afif, chefe da SMPE, integra um grupo formado com o Sebrae que estuda o bem fundado destas alíquotas e entregará um relatório sobre a questão no início de novembro (07/11) à Presidente Dilma. Este relatório deve mostrar que alíquotas muito elevadas geram desestímulo à adesão ao Simples Nacional e à formalização de novos profissionais, fragilizam as profissões, entre outras desvantagens. Portanto, é possível que o governo, com base nestas informações, delibere pela redução das alíquotas ou pela inclusão da nossa categoria em uma tabela com alíquotas menores (tabelas III e IV).

Diante desta perspectiva, o Conati decidiu investir todos os esforços de seus integrantes até o dia 7 de novembro. Ele pretende:

- montar campanhas com os profissionais de tradução e interpretação para nos fazermos presentes na cena política, garantindo que nosso pedido seja ouvido e levado em consideração;
- obter uma reunião em Brasília/São Paulo como Ministro Afif e sua assessoria para conversar com ele sobre a situação dos profissionais de tradução e interpretação e ouvir dele o que podemos fazer para mudar a situação;

Decidimos aproveitar a realização de uma primeira ação concreta de sucesso para compartilhar oficialmente com vocês a existência do Conati: na segunda passada, dia 20/10/2014, o Ministro Afif esteve no Rio de Janeiro para “apresentar aos empresários locais e autoridades públicas as mudanças promovidas pela Lei 147/14.”. O Conati imediatamente se mobilizou para estar presente nesse encontro e entregar ao Ministro, em mãos, um Ofício que elaborou e sumariza os motivos pelos quais achamos que devemos estar na tabela III ou IV, e não na tabela VI. Este Ofício não leva a marca de nenhuma liderança específica; pelo contrário, ela expressa a presença conjunta e articulada de todas as entidades de classe de tradutores e intérpretes, em favor desta mudança.

Leia o Ofício entregue ao Ministro Afif na segunda dia 20/10/2014, reivindicando nossa inclusão na Tabela IV ou III
141020 – OFÍCIO AO MINISTRO DA SMPE – CONATI – ASSINADO

Cumprida a missão, só nos resta a convidá-los a ler o relatório produzido pelo Secretário-Geral do Comitê, Luiz Araújo, relatando a jornada e os resultados obtidos.
141021 Carta sobre a presença do CONATI na Caravana da Simplificação em Niterói

Essa realização é o primeiro passo de um projeto ambicioso.

Hoje, ao participar de uma das entidades de classe que integram o Conati, você também participa do esforço conjunto desenvolvido pelo espírito colaborativo destas entidades de classe e contribuiu para esta nova visão da nossa atuação em favor das nossas profissões. Esse espírito, inédito na história das instituições envolvidas, nos deixa orgulhosos e empolgados, por propiciar, hoje e no futuro, a união das nossas forças em questões do interesse de todos.

O Conati é formado por:

Associações Internacionais:
- AIIC: Associação Internacional de Intérpretes de Conferência.

Associações Nacionais:
- Abrates: Associação Brasileira de Tradutores e Intérpretes;
- Apic: Associação Profissional de Intérpretes de Conferência.

Sindicato Nacional:
- Sintra: Sindicato Nacional dos Tradutores: o SINTRA é o único Sindicato de tradutores e intérpretes existente no Brasil.

Associações Estaduais de Tradutores Públicos e Intérpretes Comerciais (conhecidos como “Juramentados” ou “TPIC”):
- ACTP: Associação dos TPIC de SC;
- ACETESP: Associação dos TPIC do CE.
- ASTRAJUR-RS: Associação dos TPIC do RS;
- ATP-Rio: Associação dos TPIC do RJ;
- ATP-MG: Associação dos TPIC de MG;
- ATPIESP: Associação dos TPIC de SP;
- ATPP: Associação dos TPIC do PR.

O Conati incentiva que todos os tradutores e intérpretes do Brasil se filiem às instituições nacionais e às associações de seus respectivos estados.

Mas a quais instituições devo me associar?
Nossas sugestões:

Tradutores e intérpretes livres: sugerimos que se filiem às respectivas Associações Nacionais e ao Sintra.

Tradutores e intérpretes juramentados: sugerimos que se filiem às respectivas Associações Estaduais, a ao menos uma das Associações Nacionais e ao Sintra.

Além disso, incentivamos que todos os profissionais autônomos conversem com seus contadores para que direcionem suas contribuições sindicais ao Sintra.

Desde já agradecemos os esforços e a atenção de todos os já envolvidos e de todos aqueles que se interessam em participar desta jornada que certamente será longa e desafiadora, mas estamos certos de que, através da nossa união, conquistaremos objetivos grandiosos!

Saudações tradutórias e interpretativas,

Instituições-membro do Conati

Comments are closed.


Leonardo Milani - 2017 - Todos os direitos reservados - Entre em contato